O sexo é algo prazeroso, gostoso. É um momento de conexão incrível com seu próprio corpo e seu parceiro. Parece até um pouco óbvio falar que “sentir dor no sexo não é normal”.

Embora na teoria, seja sim, realmente óbvio, na prática as coisas acontecem de forma diferente.

Muitos homens e mulheres se acostumam com incômodos e até com a dor na cama e deixam de procurar ajuda, seja ela médica ou terapêutica. Passam uma vida emocional e sexual sem prazer, entrando em uma relação apenas como uma forma de “cumprir seu papel”. Seja de homem, seja de mulher. 

Por isso é tão importante discutirmos sobre o assunto. Abordando que qualquer incômodo não é normal, mas que possui, sim, tratamento. Sexo é prazer e você merece sentir tudo de bom que seu corpo pode te proporcionar.

Por isso, ao longo desse artigo vamos explicar algumas das possíveis causas desse problema, e, evidentemente, te ajudar com algumas dicas que facilitarão seu processo de cura.

Dor no sexo é coisa séria!

Não é um incômodo leve, não é algo normal. Muitas pessoas já produziram esse discurso para si mesmas como uma forma de diminuir a dor dessa condição. No entanto, entrar nesse estado significa aceitar a situação, que é séria e pode, inclusive, indicar algum tipo de doença mais séria.

Portanto, antes de falarmos um pouco sobre a visão tântrica e como as práticas da terapia tântrica são capazes de reverter esse quadro, vamos abordar questões físicas que podem influenciar e gerar desconfortos ou dores durante a hora H.

Vejamos!

As causas físicas

Quando esse é o assunto, o incômodo pode surgir tanto por falta de autoconhecimento sexual (o que falaremos adiante) quanto por doenças.

Homens e mulheres podem apresentem essa questão como sintoma para alguma doença que precisa de tratamento médico.

Alguns dos problemas masculinos que geram dor na hora H são:

Nas mulheres, as causas mais comuns são:

É claro, que essas dores não se resumem apenas a essas causas. Por esse motivo, é necessário uma análise médica para identificar se há alguma causa física. Afastada essa hipótese e os exames realizados estão todos de acordo com o esperado é possível expandir as possibilidades e encontrar outras formas de lidar (e curar) essa situação. 

A dor é uma resposta do corpo.

Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é a dor, por si só tem um significado. Ela é uma resposta do nosso corpo indicando que algo não vai bem. Ela está tentando dizer: “calma, tem algo errado aqui.”

Na hora H, principalmente para as mulheres, pode ser desafiador dizer para o parceiro com todas as letras: pare, estou sentindo dor! No entanto, é importante ter essa comunicação e expor para o parceiro o que realmente está acontecendo na relação.

Nós precisamos abordar que esse incômodo pode ser derivado de algum fator mental individual da pessoal. Mas, isso não significa que seja “menos importante” que uma causa física, pelo contrário, ela requer tanta preocupação quanto, pois pode ser mais difícil de ser curada.

As disfunções sexuais tem, na maioria das vezes, suas causa ligada ao psicológico. Por isso, decidi abordar as mais comuns delas aqui.

Entre as mulheres, a mais comum delas é o vaginismo caracterizada pela contração involuntária dos músculos da vagina. Esse problema não é apenas algo que acontece na cama, mas pode atrapalhar, inclusive, a realização de exames ginecológicos. Os músculos que se contraem não permitem a penetração ou dificultarão muito uma consulta com um profissional.

Agora, tanto para homens quanto para mulheres o que se destaca é a chama dispareunia, que consiste na dor no sexo antes ou após o contato, a sensação se assemelha a uma pontada ou queimação que acontece logo no início da penetração.

Como lidar com a dor no sexo?

Primeiramente, o autoconhecimento sexual é uma poderosa ferramenta para lidar com a própria cura. Identifique como seu corpo se comporta, seja no sexo ou durante a masturbação. Não importa se você é mulher ou homem, observe algumas questões importantes como:

  • Quanto tempo você demora para se excitar sexualmente? Mulheres: quando tempo vocês demoram para estar apta para receber a penetração?
  • Como seu corpo se comporta quando está excitado(a)?
  • Quais os pensamentos que povoam sua mente?

Todas as perguntas são chaves para identificar o que pode desencadear essa resposta do seu corpo. Alguns tem respostas muito simples como: o tempo de preliminares durante o sexo é menor do que o tempo que precisam para a penetração.

Em alguns casos, é claro, pode ser derivado de traumas ou bloqueios sexuais. E nesses casos, a terapia tântrica, as práticas como a meditação ativa e a própria massagem tântrica são cruciais para um tratamento amoroso e eficiente, afinal, as práticas tântricas relaxam nossos músculos e preparam nossa mente para estados elevados de prazer, desconectando nosso corpo de medos.

Além disso, quando são praticadas por casais, durante o sexo, proporciona uma conexão imensa, diminuindo cada vez mais a dor durante a relação, até finalmente, ter a cura. Em outras palavras, é como se o casal diminuísse as barreiras do ego e dedicassem um momento para si mesmos e para o outro. Cheio de amorosidade, carinho e compreensão.

Esperamos que esse texto tenha ajudado nessa momento desafiador. No entanto, saiba que por mais difícil que você sinta essa momento É POSSÍVEL SE CURAR. ficou com alguma dúvida? Comente aqui embaixo que responderemos sua dúvida!

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *